Paris, Parques & Jardins

Margem esquerda do Sena – Mais de dois quilômetros de diversão em Paris

5 de agosto de 2013

Uma coisa que acho muito legal aqui na Europa é como os rios, canais e lagos são inseridos no cotidiano das pessoas, como elementos de integração, oferecendo mais uma opção de lazer para quem vive ou visita uma cidade. Aqui em Paris, o Sena já era bem integrado à paisagem urbana, mas suas margens ainda eram tomadas pelos automóveis. Agora não mais, principalmente a margem esquerda.

Sena

O projeto “Berges de la Seine” (Margens do Sena) começou em 2010, com várias consultas públicas. Lembro que recebi um email com o dossiê para a imprensa falando sobre os pontos que seriam discutidos e na época já achei muito interessante. Porém, só quando ele sai do papel é que a gente realiza a grandeza da coisa.

Sena

A margem direita foi entregue no ano passado. Já passei por ela, mas ainda não fui fazer uma visita “detalhada”. A margem esquerda, a grande vedete do projeto, foi inaugurada em junho último. Eu já fui lá algumas vezes, mas nessa última visita pude “passar o pente fino jornalístico” e o resultado conto para vocês.

Sena

A ideia é devolver o Sena e suas margens à população, valorizando três aspectos: a natureza, a cultura e os esportes. E basta andar por essa “nova margem esquerda” para ver que os parisienses e turistas se apossaram e com prazer desse novo espaço.

Sena

São 2,3 quilômetros, entre a Pont Royal e a Pont de l’Alma, na área que compreende o Port (porto) de Solferino, perto do Museu D’Orsay; o Port des Invalides, perto dos Invalides; e o Port du Gros Caillou, perto do Museu do Quai Branly.

Sena

Uma margem para esportes

As margens do Sena são o lugar perfeito para se exercitar: belas, planas e de boa extensão. Por isso, vários equipamentos esportivos foram colocados à disposição de quem gosta de suar a camisa: áreas para alongamento, para exercitar os braços e pernas, para praticar esportes, etc. Até uma pista de corrida de 100 metros foi desenhada no solo. Diversas atividades físicas, como Yoga, Tai Chi Chuan e ginástica, são propostas durante o dia, para um público de todas as idades.

Sena
Um dos equipamentos esportivos instalados na margem esquerda do Sena
Sena
A pista de 100 metros

Entre as pontes des Invalides e de l’Alma foi instalada uma rampa para skate, BMX, patins e patinete. Há horários de demonstração de um desses esportes e outros em que a frequência é livre. Ela fica ali até 15 de setembro.

Sena

A própria extensão da margem esquerda, 2,3km, já é um percurso e tanto. Por isso, os equipamentos esportivos estão espalhados nesse trajeto. E quem quiser pode reservar um treinador.

Sena

Ateliês e exposições à beira do Sena

Em Paris, praticamente qualquer cantinho pode abrigar uma atividade cultural. Essa é uma das coisas que mais amo nessa cidade. Então, imagina o que eles não fazem em um espaço do tamanho da margem esquerda?

Sena
Ateliê infantil sobre peixes

Ateliês, shows, performances artísticas, exposições e outras atividades culturais são previstas para acontecer ali na margem esquerda ao longo do ano. Não sei como será no inverno, mas estou curiosa para saber.

Sena

Porém, por enquanto, com o verão a todo o vapor, a lista de eventos é grande. Para abrigar o público em caso de shows e performances – ou admirar a paisagem na ausência destes – foi construída, na frente do museu D’Orsay, uma grande arquibancada com capacidade para 650 pessoas. Após uma visita ao museu, sentar ali em frente ao Sena e ver a vida passar é muito bom.

Sena

Os ateliês podem acontecer em vários lugares ao longo da margem: no espaço chamado YOU, que é um contêiner reutilizado, que pode servir também para descanso; ou em espaços livres perto do rio. Apesar de ser para todas as idades, a maioria deles é para as crianças.

Sena
O YOU é um espaço de relax, mas que também vai abrigar atividades culturais

Na ponte de la Concorde, uma coisa interessante: uma ducha sonora (Douche Sonore). Alto-falantes foram instalados embaixo da ponte, com a programação musical de duas estações de rádio. Qualquer pessoa também pode plugar seu aparelho via Bluetooth para escutar as próprias músicas.

Sena
Na pont de la Concorde a música não para

As margens do Sena vão acolher também exposições. Até 8 de setembro, a exposição Chants de Café exibe as fotos que Reza, artista e fotojornalista, tirou em vários países produtores de café, como, por exemplo, Brasil, Colômbia, Guatemala e Índia. São 80 fotos monumentais que mostram o cotidiano de pessoas ligadas à cultura do café. A exposição tem patrocínio da Nespresso e acontece também na margem direita. É interessante ver as fotos gigantes “interagindo” com as pessoas. Acesso: Quai des Tuileries (margem direita) e Quai Anatole France (margem esquerda).

Sena
Exposição Chants de Café, de Reza Deghati
Sena
A exposição se estende pela margem direita também

Devolvendo o verde às margens do Sena

Há vários espaços verdes entre os 2,3 km da margem esquerda do Sena. A maioria deles está na parte entre a Pont des Invalides e de l’Alma, na área perto do Port du Gros Caillou. A preocupação dos paisagistas que criaram esses espaços foi utilizar plantas que são próprias da região, para assim também atrair a fauna do local.

Sena

Para as crianças

Há várias atividades para as crianças, gratuitas, a maioria delas concentrada no Port de Solferino. Ali no começo da caminhada (para quem começa perto do Museu D’Orsay), há quatro tendas, chamadas aqui de Tipis. Elas podem ser reservadas às quartas, sábados e domingos, durante uma hora e meia, das 14h às 19h30. Cada uma delas cabe até 10 crianças, de 6 a 12 anos, e dois adultos. Há jogos à disposição no interior.

Sena

Ainda para os pequenos, um pouco depois, encontra-se uma lousa com 20m de comprimento e 3m de largura. O giz fica ali ao lado à disposição, todos os dias, das 11h às 19h durante a semana e das 10h às 20h nos finais de semana. Mas, pelo que vi ali, não foi só os pequenos que gostaram da novidade. Tinha muito adulto “rabiscando”.

Sena

Um playground mais esportivo foi instalado para as crianças entre 6 e 12 anos, perto da ponte des Invalides. Há um pequeno circuito de escalada para os “mais velhos” e três brinquedos para os menores.

Sena

Em várias partes da margem esquerda, há jogos desenhados no chão: labirinto, mapa-mundi, alfabeto, desenhos de animais. Dá para jogar com toda a família ali.

Sena

Também vários ateliês são reservados aos pequenos. No dia em que fui fazer essas fotos, estava acontecendo um ateliê para fazer Peixes de papel. Ao mesmo tempo em que eles faziam uma atividade manual, aprendiam um pouco sobre ecologia.

Sena

Restaurantes

Vários tipos de restaurantes, e quiosques pouco a pouco estão chegando à margem esquerda do Sena e até mesmo dentro dele. Há comida de rua, italiana, outros com menus mais sofisticados… A oferta é variada. Uma das inaugurações mais esperadas é o barco que vai abrigar uma filial do Rosa Bonheur, o famoso restaurante do parque Buttes-Chaumont. A ideia é recriar o espírito das guinguettes. Para quem não sabe, guinguettes eram lugares de diversão popular, com restaurante, música e baile, muito comuns na França no século XIX e começo do XX. Enquanto o barco da Rosa não fica pronto, o restaurante está ali na margem com o sugestivo nome “En Attendant Rosa” (esperando Rosa).

Sena
En Attendant Rosa

Mas quem não quiser comprar comida, pode levar seu próprio lanche e fazer um piquenique em qualquer parte da margem esquerda. Espaço é o que não falta.

Sena

Nos Ports de Solferino e des Invalides, há várias mesas com tabuleiros de jogos desenhados. Elas ficam perto de restaurantes, mas também podem ser usadas para os piqueniques e para jogar, é claro!

Sena

Sena

É difícil descrever tudo o que tem ali. É muita coisa, dá para encher dias e dias de passeios. Mas algumas coisas chamaram minha atenção e achei bem diferente, são elas

ZZZ – São contêineres, assim como o YOU (citado acima), revisitados, ou seja, que se transformaram em espaços para descanso, ler, jogar cartas ou para bater papo. São quatro e cada um deles tem um jardim íntimo, inspirado nas telas de pintores famosos: Monet, Picasso, Kadinsky e Seurat. Podem ser reservados gratuitamente às quartas, sábados e domingos, durante uma hora e meia. Cabe até oito pessoas, mas não se pode levar bebidas alcoólicas dentro. Também podem acolher exposições.

Sena

Caverne Mobile – Principalmente nesse calor, é um espaço “refrescante”. É uma “caverna” com rodas, onde a gente entra por baixo, embora tenha uma porta e eu, distraída que só, entrei por ela. Como a música que toca perto da ponte Concorde dá pra ouvir bem lá dentro, parece uma “boate ecológica” ou danceteria, como se chamava no meu tempo. Tem um pequeno jardim, que foi realizado de acordo com a ideia de natureza ideal, e bancos. Até 31 de outubro.

Sena
O interior da Caverne Mobile

Verger – Foi uma das partes de que mais gostei. É um pequeno pomar ali no meio do caminho: há macieiras, pessegueiros, além de culturas como abóbora, milho, tomate cereja. Claro que também tem muitas plantas, ervas e flores. Vai ser interessante ver como o Verger se desenvolve ao longo das estações. Entre as árvores, há bancos, onde se pode descansar como se estivéssemos no campo.

Sena

Ao lado do Verger, há o espaço Zen – uma plataforma de madeira de 142m2, onde podemos relaxar, mas também onde são dadas as aulas de Yoga, Pilates e Tai Chi. Chuan, entre outras.

Sena
Existe espaço mais zen do que este?

Jardin Flottant – Com mais de 1700 m2, é composto por cinco ilhas interligadas: Île aux Brumes, Île aux Oiseaux, Île Prairie, Île Verger e Île Central. Na verdade, são como pequenas plataformas flutuantes dentro do Sena. Há espaços para relaxar, como as espreguiçadeiras na Île aux Brumes, uma estrutura de cordas para sentar ou deitar, na Île Prairie, macieiras na Île Verger e até uma estufa na Île aux Oiseaux, para observar os pássaros no Sena, sem espantá-los. Entre as ilhas e as margens, há pequenas ilhotas com plantas aquáticas e até patos nadando entre elas.

Sena

Sena

Mikados – São estruturas de madeira presentes ao longo de todo o percurso, para sentar, deitar e relaxar. A madeira empregada é de florestas sustentáveis. Achei bem interessante.

Sena

E, para o caso de uma inundação, mesmo que seja pior que a de 1910, a margem foi preparada, pois todas as estruturas e equipamentos são desmontáveis.

Sena

Assim, com toda essa reforma, a margem esquerda do Sena, que já era um lugar gostoso para passear, tornou-se diversão para toda a família. Para quem está de passagem por Paris, vale a pena dar uma olhada entre uma atração e outra. Afinal, ela e também a margem direita foram classificadas como Patrimônio Mundial da Unesco em 1991. Nada mais merecido, pois a paisagem é deslumbrante.

Sena
Vista do Sena e da margem direita a partir do Jardin Flottant da margem esquerda

Informações:
Berges de la Seine
Port de Solferino – Metrô Assemblée Nationale, linha 12.
RER C – Musée d’Orsay
Port des Invalides – Metrô Invalides, linhas 8 e 13.
RERC – Invalides
Port du Gros Caillou – Metrô Alma Marceau, linha 9
RER C – Pont de l’Alma

Os horários das atrações são variados. No Site Oficial pode-se consultar todos eles, assim como a programação, outras opções de acesso e as reservas de coaching, Tipis e os ZZZZ

Sena

* Reserve hotel para Paris e outras cidades do mundo com o Booking
* Compre seu seguro de viagem com a Real ou com a Mondial
* Para fazer passeios e excursões, contate a ParisCityVision
* Para transfer e passeios privados, contate a França entre Amigos
* Compre ingressos fura-fila para várias atrações de Paris e outras cidades com a Ticketbar
* Alugue um carro com a Rentalcars
* Saiba mais sobre Cursos de idiomas no exterior

Renata Rocha Inforzato

Sou de São Paulo, e moro em Paris desde 2010. Sou jornalista, formada pela Cásper Líbero. Aqui na França, me formei em História da Arte e Arqueologia na Université Paris X. Trabalho em todas essas áreas e também faço tradução, mas meu projeto mais importante é o Direto de Paris. Amo viajar, escrever, conhecer pessoas e ouvir histórias. Ah, e também sou louca por livros e animais.

Comentários (32)

  • Marise Responder    

    6 de agosto de 2013 at 15:09

    Renata, como sempre seus textos são um SHOW!!!!

    • Anita Responder    

      6 de agosto de 2013 at 17:47

      O s textos são show, sempre! Dá vontade de embarcar correndo!
      Na próxima vamos a Rosa Bonheur, vc é minha convidada!
      Bjao

      • Renata Inforzato Responder    

        6 de agosto de 2013 at 18:03

        Oi Anita! Não convida, olha que vou ficar te enchendo pra vc vir logo 🙂 Obrigada mais uma vez pela visita e por sempre comentar. Um beijão!!!

    • Renata Inforzato Responder    

      6 de agosto de 2013 at 17:58

      Marise, querida, obrigada. Um beijão

  • Elaine Braga Responder    

    6 de agosto de 2013 at 17:45

    Uau! Que projeto!!!! Isso é que é cidade evoluída! Cada vez amo mais Paris! Quem sabe um dia, daqui a muito muito tempo, não façam algo similar em SP. Certamente não estarei viva para conferir! Bela matéria, Renata! Obrigada por compartilhar!

    • Renata Inforzato Responder    

      6 de agosto de 2013 at 18:01

      Oi Elaine, também espero que um dia façam isso em SP. Capacidade para isso eles têm, basta querer. Um beijão e obrigada pelo comentário

  • Marilda Responder    

    6 de agosto de 2013 at 21:22

    Oi Renata. Como sempre, seus textos são excelentes! Dá uma perfeita idéia do que é a cidade e do que está acontecendo. E tb dá uma vontade louca para ir correndo pra Paris!! Vou colocar esse restaurante na minha lista!
    Agora, vc imagina se o Rio tivesse uma administração decente, quanta coisa podia ser feita aqui!! Enfim… c’est la vie!
    Parabéns e obrigada por compartilhar!

    • Renata Inforzato Responder    

      6 de agosto de 2013 at 22:16

      Oi Marilda. Pois é, as cidades brasileiras têm um potencial e tanto para aproveitar os espaços ao ar livre: além de belos, o clima é bom o ano todo. Mas falta vontade política e isso é triste. Bom, espero que você volte logo para cá e muito obrigada por sempre apoiar esse cantinho. Um beijão

  • Eme Oliver Responder    

    7 de agosto de 2013 at 12:09

    Obrigada, Renata, por mais uma vez nos trazer tão bons texto e imagens, nos informando sobre Paris. Exemplar esse aproveitamento das margens do Sena. Que população agraciada! Não vejo a hora de rever Paris e aproveitar um pouco disso também. Beijos

    • Renata Inforzato Responder    

      7 de agosto de 2013 at 12:27

      Oi Eme, e eu espero que você volte logo para ver tudo isso de perto! Um beijão e obrigada pela visita.

  • Lílian Veiga Responder    

    7 de agosto de 2013 at 13:08

    Renatinha,
    Sempre nos brindando com seus textos e histórias fresquinhas de Paris.
    Já tenho uma lista infindável de coisas a fazer e serem vistas aí, e agora, vai mais uma! 🙂
    Paris é inesgotável !!!
    Teria que ter mil vidas para vivenciar tudo que a cidade oferece.

    Obrigada e beijos meus.

    • Renata Inforzato Responder    

      8 de agosto de 2013 at 18:37

      Oi Lilian. Acredite, nem morando aqui a gente conhece tudo. A cada vez que vejo uma atração nova ou um lugar que ainda não conheço, me dá um desespero de querer ir, ver, fotografar e escrever. Mas haja tempo para tudo! O importante é que você venha e aproveite cada viagem sua, e volte mais leve. Um beijão e obrigadão

  • Natalia Itabayana Responder    

    7 de agosto de 2013 at 13:34

    Pronto, ja tenho meu motivo pra voltar à Paris (como se precisasse, né!), correr às margens do Sena – vergonha, ja corri na Eslovênia, mas nunca corri em Paris.
    Acho muito interessante a forma como as cidades europeias integram os rios, lagos e mar à sua paisagem, e so me dei conta disso quando um suiço me perguntou: mas por que construiram Belo Horizonte onde é, se não tem rio navegavel? As estradas de outrora eram sobre as aguas, por isso toda cidade europeia é colada a um grande curso d’agua, e essa é uma bela forma de manter em mente a interação do homem com a natureza.

    • Renata Inforzato Responder    

      8 de agosto de 2013 at 18:35

      Oi Nat. Pois é, no Brasil, mesmo em cidades que foram povoadas por causa de rios, como São Paulo, não há essa mentalidade de aliar o rio à paisagem urbana. Em São Paulo, até pouco tempo atrás, evitar enchente e canalizar era tampar rios e córregos. E aí, o que acontece? Mais enchentes. Imagine o que poderiam fazer de bom com o Tietê e o Pinheiros? Agora até que estão acordando, mas espero que não seja tarde. Bom, venha correr aqui no Sena, vou com você. Um beijão e obrigada

  • Heloisa Righetto (@HeloRighetto) Responder    

    7 de agosto de 2013 at 16:19

    post completíssimo! demais, Re. Tbem acho muito bacana como o Rio Tamisa faz parte de Londres, é um elemento vivo e essencial da cidade. Podemos caminhar em suas margens em vários pontos, principalmente no lado sul, e em certos locais há tbem uma concentracao de atividades. Mas esse projeto do Sena tá bem completo, gostei!!

    • Renata Inforzato Responder    

      8 de agosto de 2013 at 18:32

      Oi Helô. Pois é, é muito legal ver como eles aproveitam o rio e suas margens. Ainda não conheço Londres e morro de vontade de conhecer o Tâmisa. Acho que se esse projeto do Sena tiver sucesso, a tendência é que se repita em outras cidades europeias. Um beijão e obrigada, sempre.

  • Marissol Pedrosa Responder    

    7 de agosto de 2013 at 18:38

    Olá Renata,
    Não conhecia seu blog. Parabéns!
    Esta reportagem ficou ótima e tive que compartilhar em minhas redes sociais.
    Paris sempre dando exemplos de cidadania e aproveitamento do seu rio urbano (Sena) de maneira sustentável. Amei! Abs, Marissol

  • Beta Responder    

    27 de agosto de 2013 at 21:42

    Que post delicioso… Dá vontade de ir agora!

  • Gislaine Responder    

    30 de agosto de 2013 at 19:11

    Não tinha lido esse seu texto ainda Renata, adorei!!! Você escreve de uma forma muito gostosa, nos convida a entrar na história e sonhar, parabéns! Não vejo a hora de você terminar o seu novo texto (Père), estou curiosíssima!!!! bjss

    • Renata Inforzato Responder    

      6 de setembro de 2013 at 18:59

      Oi Gi, obrigadão!!!!! Gosto que as pessoas sintam como se estivessem no lugar. Sei que não é sempre que consigo, mas vamos tentando. Obrigadão pelo comentário. O do Père logo vai sair. beijão

  • Dan - Muita Viagem Responder    

    18 de setembro de 2013 at 20:07

    Gostei do jeito que escreveu, especialmente este post que ficou muito interessante!

    Fizemos uma viagem à Cidade Luz. A série se chama Paris Além do Óbvio e tem dicas e curiosidades de uma Paris que poucos conhecem, só quem está morando por lá!

  • Sandra Valéria Martins Moreno Responder    

    27 de janeiro de 2014 at 18:17

    Adorei o que escreveu … Realmente entramos no texto e viajamos com você . Não conheço Paris . Por en

  • Paris: o Sena devolvido às pessoas | TheCityFix Brasil Responder    

    5 de setembro de 2014 at 17:14

    […] e visando a um objetivo específico: devolver o rio e suas margens à população. No blog Direto de Paris, a jornalista Renata Rocha Inforzato traz ainda mais detalhes sobre esse espaço especial da Cidade […]

  • Passeando de barco pelo Sena | Direto de Paris Responder    

    11 de dezembro de 2014 at 0:59

    […] Paris, as margens do Sena são usadas para várias atividades e até viram praia no verão. Elas fazem parte do Patrimônio Histórico da Unesco. E o leito do […]

  • Nossa Cidade: a transformação a partir dos espaços públicos | TheCityFix Brasil Responder    

    13 de maio de 2015 at 17:04

    […] e vegetação diferentes, representando as principais espécies naturais do Sena. No blog Direto de Paris, a jornalista Renata Rocha Inforzato apresenta todo o espaço com detalhes (e muitas fotos!), em […]

  • How Public Spaces Make Cities More People-Oriented | TheCityFix Responder    

    27 de maio de 2015 at 16:10

    […] the Seine’s natural species. Blogger and journalist Renata Rocha Inforzato maintains an online guided tour of the waterfront, documenting how this space contributes to the vibrant center of the French […]

  • Caroline Responder    

    23 de agosto de 2017 at 20:21

    Oi Renata!! ótimas informações nesse seu site. Adorei.
    Estou fazendo meu tcc em Arquitetura e este projeto é um dos meus referenciais. Vai me ajudar muito suas informações =)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Direto de Paris usa cookies para funcionar melhor. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close