Poissy

Villa Savoye – Um passeio arquitetural a 30 km de Paris

28 de maio de 2014

Edouard Jeanneret, conhecido como Le Corbusier (1887-1965), foi um dos arquitetos mais importantes do século XX, inspiração para vários outros, inclusive Oscar Niemeyer. Ele deixou várias obras, como, por exemplo, a Maison du Brésil, na Cité Universitaire aqui de Paris (projeto realizado junto com Lucio Costa), e o projeto da embaixada da França em Brasília. Para quem gosta de seus trabalhos – e de arquitetura moderna em geral – um passeio muito interessante é a Villa Savoye, perto de Paris. Até eu, que não sou muito fã do período, achei a visita muito legal e conto aqui por quê.

Villa Savoye

A Villa Savoye fica em Poissy, uma cidade localizada no departamento de Yvelines, a cerca de 30 km de Paris. Foi construída entre 1928 e 1931, por encomenda de Pierre Savoye, um rico empresário de uma companhia de seguros. Le Corbusier, de origem suíça, morava em Paris havia dez anos e já era conhecido por suas criações e também como escritor – ele fez vários livros sobre arquitetura – e pintor. Por isso ele foi escolhido pelo rico empresário, tendo o primo, o também arquiteto Pierre Jeanneret, como assistente.

Villa Savoye

Pierre Savoye queria uma Villa onde pudesse passar os finais de semana e receber a família e os amigos. Por isso, havia comprado o terreno de sete mil hectares em uma colina com uma bela vista sobre o Sena. O local era de fácil acesso à capital, pois os 30 km seriam percorridos facilmente de carro. Ao mesmo tempo, tinha uma aparência de campo, com prados e florestas por todos os lados. De acordo com o próprio Le Corbusier, o cliente era uma pessoa sem ideias pré-concebidas, nem de estilo conservador e nem moderno. O arquiteto teve praticamente carta branca para inovar ali.

Villa Savoye

E foi o que ele fez. A Villa Savoye é o último projeto do período purista de Le Corbusier, também chamado de período de “maisons blanches” (casas brancas). Ali ele usa toda a sua concepção de modernidade e faz várias inovações desde o primeiro projeto da Villa, de 1928. Porém, os custos da construção são altos demais. Em 1929, Le Corbusier faz um novo orçamento mais barato, mas mesmo assim a construção da Villa vai custar 900 mil francos.

Villa Savoye

O fascínio dos artistas de vanguarda pelas máquinas e pela indústria está presente no projeto. De acordo com o próprio artista, a Villa é uma máquina para morar e para emocionar. O material empregado é o mais simples possível, o concreto. A obra não interfere na natureza, mas é sua espectadora, como se fosse um objeto, sem atrapalhar nada. A luminosidade e as cores presentes no interior são também elementos mais importantes que a construção mesma, e tudo isso é muito inovador para a época.

Villa Savoye

Em 1931, a Villa Savoye fica pronta. Porém, logo nos primeiros meses, um problema: a casa é inundada até a altura da rampa de acesso ao primeiro andar. Assim, uma primeira restauração é realizada. O terraço é impermeabilizado e a pintura refeita.

Villa Savoye

Mas, os proprietários pouco a pouco deixam de utilizar a propriedade. Ela torna-se celeiro de forragem. Depois, em 1940, vira abrigo dos alemães e, em seguida, dos aliados. Quando a guerra acaba, é instalado ali um abrigo para jovens.

Villa Savoye

Em 1958, o terreno e a Villa são comprados pelo município de Poissy, que deseja destruir a casa para construir uma escola secundária. Tudo estava bem degradado. A demolição não é realizada, mas a propriedade perde em tamanho para a construção do liceu, que está ali na área ao lado até hoje. É quando a Villa Savoye atinge seu tamanho atual, de 10 365 metros quadrados.

Villa Savoye

Depois de uma campanha da Associação Internacional de Arquitetos, em 1964, a cidade de Poissy transfere a Villa Savoye para o domínio do Ministério da Cultura. Ela é classificada como Monumento Civil. É um dos poucos monumentos que obtém essa classificação estando seu criador ainda vivo. Em 1965, a Villa recebe o título de Monumento Histórico.

Villa Savoye

Nessa época, uma segunda restauração é feita. Le Corbusier não podia interferir completamente no trabalho, mas tinha o direito de inspecioná-lo. Ele morre em 1965 e a reforma termina em 1967. As janelas de madeira são trocadas por alumínio, mais uma inovação da Villa.

Villa Savoye

A propriedade ainda passa por duas restaurações: uma entre 1985 e 1993, onde a estrutura é reparada; e a outra entre 1996 e 1997, para adaptar a Villa à visitação pública, que havia começado em 1992. O intuito era aproximar o lugar do seu estado original, além de reconstruir os canteiros do entorno. Hoje, a propriedade recebe mais de 30 mil pessoas ao ano, a maioria arquitetos e estudantes de arquitetura, franceses e estrangeiros.

Villa Savoye

Uma nova arquitetura
A Villa Savoye é o contrário de uma propriedade luxuosa. Ela é completamente desprovida de decoração na sua parte exterior e desde o começo com muito poucos móveis no interior. A atenção de Le Corbusier foi para o trabalho com o espaço, o material, a forma, a cor e a luz. Aliás, a casa também é conhecida como “Les Heures Claires” (as horas claras), por causa da grande luminosidade que há dentro dela mesmo durante o inverno. As cores usadas no interior também são muito interessante: elas são vivas e formam um contraste com o branco e acentuam a luz.

Villa Savoye
Esse objeto aí no meio é uma instalação que faz parte de uma exposição temporária sobre luz e som

Um pouco antes de fazer a Villa Savoye, Le Corbusier havia teorizado sobre a arquitetura em uma obra, Vers une architecture lançada em 1927 – no Brasil, a publicação teve o nome de “Por uma arquitetura”. Nela, ele dizia que uma casa moderna deveria possuir cinco fatores, chamados de pontos de uma nova arquitetura. E a Villa Savoye reúne todos eles.

Villa Savoye

O primeiro são os Pilotis, ou seja, alicerces feitos de estacas. Ao se apoiar neles, a casa libera espaço para o terreno, para mais jardins. Ao mesmo tempo, transparências visuais são criadas, pois temos uma perspectiva olhando por baixo do imóvel. É como se a construção fosse bem leve e se equilibrasse sobre o pedestal central.

Villa Savoye

O segundo ponto é o telhado jardim ou solário. Graças ao uso do concreto, não é mais obrigatório fazer os telhados inclinados e com telhas. Então, são construídos terraços, que se tornam uma parte importante da residência e que se destacam no céu por uma linha horizontal pura.

Villa Savoye
O telhado da Villa Savoye

O terceiro é o Traçado Livre. Nesse item, por exemplo, não há mais necessidade de que as divisórias dos cômodos sejam também elementos de sustentação. A estrutura entre um andar e outro são pilares ou colunas dispostos em lugares estratégicos. As separações de cada cômodo são pensadas apenas de acordo com o uso de cada um ou por efeitos de arquitetura.

Villa Savoye

Depois vem a Fachada Livre. Também o “envelopamento” do edifício não segue a necessidade de sustentação. As fachadas são construídas para iluminar e possibilitar uma bela vista dos arredores. Na Villa Savoye, as quatro fachadas pouco diferem entre si.

Villa Savoye
As quatro fachadas são quase iguais

E, por último, a janela em comprimento. Graças a liberdade de traçado e das fachadas, aqui as janelas podem correr sem interrupções de um lado a outro da fachada. Isso cria uma claridade impressionante. Na Villa Savoye, as janelas são um elemento muito importante. Ao olharmos, por exemplo, o bosque lá fora, nós temos a impressão de ver uma paisagem de um quadro, onde a janela é a moldura. E isso vai bem de acordo com a concepção do projeto de não interferir na natureza, apenas contemplá-la.

Villa Savoye

A visita

Logo que chegamos na Villa Savoye, à direita da entrada, vemos uma construção com as mesmas características, mas menor. É a casa do guarda. Não é visitada. Logo em seguida, um caminho no bosque e a propriedade principal aparece como se estivesse isolada. Há um pequeno jardim e esta é uma parte interessante do projeto: a disposição dos gramados e caminhos é como se a sombra das estruturas da fachada estivesse projetada no chão, ou seja, a casa e esse jardim da frente são simétricos.

Villa Savoye
Observe a simetria entre a fachada e o gramado e os caminhos da frente

Damos a volta da construção para entrarmos por trás, que é a entrada principal. Vemos aí que a Villa foi projetada para que um carro pudesse fazer o contorno dela e partir sem precisar fazer grandes manobras. As medidas usadas foram de uma limusine de 1930.

Villa Savoye

Entramos por um hall de 60 metros quadrados. Por causa da bilheteria e de uma pequena livraria, não temos a dimensão exata do que era o cômodo na época. Mas já vemos os efeitos da claridade no lugar.

Villa Savoye

Rampa e escada – Ainda no hall, são visíveis duas das maiores características da obra de Le Corbusier: a rampa e a escada. O arquiteto mesmo dizia que a concepção da Villa Savoye era de um passeio arquitetural. E as rampas – há duas na propriedade – reforçam essa ideia, pois possuem aberturas, que possibilitam vermos a evolução da arquitetura da casa enquanto subimos.

Villa Savoye

Já a escada – que na visita é mais usada para descer ao térreo – é em forma helicoidal e aberta. Então, em cada curva, na descida, temos uma perspectiva diferente do Hall, que está embaixo.

Villa Savoye

Quarto de serviço – Seguindo o corredor, ainda no térreo, encontramos o quarto de serviço. Nele estão os documentos que contam a história da construção da Villa Savoye, assim como menções a outros projetos de Le Corbusier. Também há uma lavanderia e o quarto do motorista, mas esses cômodos são usados pela administração do lugar.

Villa Savoye

Salon (Sala) – Subindo pela rampa, vemos uma grande peça ao lado de um terraço. É a sala, que mede 6x 14 metros. É muito clara, aberta em três lados: o norte e oeste são unidos por uma mesma grande janela. Era possível ver o Sena ao longe (mas hoje há algumas construções no horizonte). O lado sul tem uma porta de vidro, corrida, que dá para o terraço. Toda essa abertura cria uma impressão de mistura entre interior e exterior na sala.

Villa Savoye
Passagem da sala para o terraço

Os móveis são de 1928 e foram criados por Corbusier, Pierre Jeanneret e Charlotte Perriand (esta última arquiteta de interiores). A estrutura é em metal, uma referência ao mundo industrial que tanto fascinava na época. Uma outra curiosidade é a chaminé, que é descolada da parede e como se fosse um prolongamento da prateleira que fica embaixo da janela.

Villa Savoye

Villa Savoye

Cuisine (Cozinha) – Na entrada da cozinha, passamos por um corredor com armários de alumínio, que fazem papel de divisória. Embaixo deles, há um espaço, que era provavelmente usado para passar os pratos. Embora hoje não pareça, esse tipo de composição era uma inovação para a época.

Villa Savoye

Depois vemos o cômodo propriamente dito, com as pias ao lado de grandes janelas – a característica de privilegiar vistas panorâmicas é mantida em toda a casa. Até eu, que não entendo muito da coisa, adoraria ter uma cozinha desse tamanho. Há uma mesa fixa central. De acordo com os documentos e relatos, havia ali os mais modernos equipamentos dos anos 1930.

Villa Savoye

Quartos pequenos (Petites Chambres) – O primeiro se abre para um canto com banheiro. As características de janela longa, com uma pequena prateleira embaixo, são mantidas. Assim como nos outros quartos, há um armário de alumínio com portas corridas. Confesso que adorei o móvel: deve caber muita coisa e aproveita bem o espaço. Esse tipo de armário, criado por Le Corbusier, será inspiração para muitas lojas de decoração e até mesmo para as grandes redes atuais, como, por exemplo, Ikea.

Villa Savoye

O segundo quarto também tem um banheiro, este com uma banheira e uma janela com vista para o jardim. Como toda a casa, também é banhado em luminosidade. O quarto tem uma vista panorâmica para duas direções. O armário aqui tem uma função de biombo e otimiza o espaço.

Villa Savoye

Villa Savoye

Chambre des Maîtres (Quarto Principal) – à esquerda tem um banheiro. Mas diferente dos outros quartos, aqui o banheiro é integrado ao cômodo. Ele fica perto da entrada do quarto, então, em um dos lados é fechado por um armário, que faz uma espécie de corredor para entrar na peça. Mas, do lado que dá para onde ficava a cama, apenas um parapeito baixo de linhas curvas serve de divisão. Divisória que também pode ser usada como uma espécie de banco.

Villa Savoye

O quarto, como toda a casa, é bem iluminado. As janelas, que correm por toda a parede, dão uma vista linda dos arredores. Embaixo delas, armários baixos.

Villa Savoye

Boudoir-bureau (Toucador-escritório) – É um prolongamento do quarto principal, um pequeno paralelepípedo bem iluminado por duas janelas: ao sul, como se fosse uma faixa curta sobre a fachada de chegada, uma visão panorâmica para o bosque. Ao norte, a janela é quadrada, como se fosse um buraco na parede e dá para o terraço, ou seja, uma visão mais íntima do que a primeira janela.

Villa Savoye

Terraço – Ainda no primeiro andar, ao lado da sala, está o terraço. Ele é concebido como um espaço interior: também possui as aberturas, as grandes janelas, que ocupam toda uma parede, com prateleiras embaixo. A parte sul é coberta. Como mobiliário, mesas e jardineiras que podem ser usadas como bancos.

Villa Savoye

Solarium (Solário) – Fica na parte superior da casa. Para chegarmos a ele, pegamos uma segunda rampa, nos moldes da primeira, mas a céu aberto. Esse telhado em forma de solário é uma novidade: é aberto verticalmente, ou seja, ao ar livre; e fechado horizontalmente por paredes que alternam formas curvas e retilíneas, formando espaços ao abrigo do vento.

Villa Savoye

O que é interessante do solário é que uma das primeiras coisas que vemos, ao subir a rampa, é uma parede com uma janela, que mais parece um buraco, também com uma espécie da mesa embaixo (que mais parece um banco). Ao nos aproximarmos e olharmos através dela, a vista é muito bonita. Foi aí que tive a impressão mais viva de olhar um quadro.

Villa Savoye

O branco da parede com essa vista azul e verde – era primavera, mas imagino que seja bonita também no inverno – faz um belo contraste. É bem agradável sentar ali no banco – ou seria mesa? – e passar momentos só observando, não só a paisagem como também a própria Villa Savoye. Difícil não imaginar como seria viver ali.

Villa Savoye

Villa Savoye

Villa Savoye
82 Rue de Villiers,
78300 Poissy
Telefone: (33)1 39 65 01 06
Horários: aberta de terça a domingo. De 1º de março a 30 de abril e de 1º de setembro a 31 de outubro, das 10h às 17h. De 2 de maio a 31 de agosto, das 10h às 18h. De 2 de novembro a 28 de fevereiro, das 10h às 13h e das 14h às 17h.
Tarifa: 7,50 euros. Tarifa reduzida: 4,50. Gratuito para menores de 26 anos, desde que sejam cidadãos europeus ou que, ao menos, morem na França.
Menores de 18 anos também não pagam, desde que acompanhados pela família.
Visitas guiadas – em inglês: quartas, às 11h, e sextas, às 11H e 14h30. Em francês: sábados e domingos, às 11H e 14h30. Geralmente, essa visita guiada é gratuita, mas é bom sempre confirmar isso, assim como os horários.
Aceita o Paris Museum Pass

Como chegar: pegar o RER A, direção Poissy. Descer na estação final e ali mesmo pegar o ônibus 50, direção La Coudraie, e descer na parada Villa Savoye. O trajeto dura mais ou menos uma hora a partir de Paris. Para mais informações consulte o site da RATP (companhia de transportes francesa)

Para ir de carro, consulte o Via Michelin. Há estacionamento, gratuito, em frente à Villa.

Villa Savoye

* Reserve hotel para Paris e outras cidades do mundo com o Booking
* Compre seu seguro de viagem com a Real ou com a Mondial
* Para fazer passeios e excursões, contate a ParisCityVision
* Para transfer e passeios privados, contate a França entre Amigos
* Compre ingressos fura-fila para várias atrações de Paris e outras cidades com a Ticketbar
* Alugue um carro com a Rentalcars
* Saiba mais sobre Cursos de idiomas no exterior

Renata Rocha Inforzato

Sou de São Paulo, e moro em Paris desde 2010. Sou jornalista, formada pela Cásper Líbero. Aqui na França, me formei em História da Arte e Arqueologia na Université Paris X. Trabalho em todas essas áreas e também faço tradução, mas meu projeto mais importante é o Direto de Paris. Amo viajar, escrever, conhecer pessoas e ouvir histórias. Ah, e também sou louca por livros e animais.

Comentários (18)

  • Francine Responder    

    28 de maio de 2014 at 22:23

    Parabéns pelo post!

    Como arquiteta, reconheci cada cantinho muito bem relatado dessa história por você.

    Adoro viajar para conhecer obras da arquitetura!

    Na próxima ida a Paris irei com certeza!

    Vou compartilhar no Viagens qeu Sonhamos, ok?

    Fran @ViagensqueSonhamos

    • Renata Inforzato Responder    

      31 de maio de 2014 at 21:34

      Oi Fran. Como arquiteta, acho que vai gostar da Villa Savoye. Obrigada pelo comentário e pela divulgação. Um beijão

  • Gislaine Responder    

    29 de maio de 2014 at 1:58

    Matéria muito interessante e informativa, Re! Eu jamais imaginei um lugar assim em Paris!! Parabéns pelo texto!!!

    • Renata Inforzato Responder    

      31 de maio de 2014 at 21:33

      Oi Gi, obrigadão! É um lugar diferente da Paris que estamos acostumados a ver. Um beijão e obrigada mais uma vez

  • Boia Paulista Responder    

    29 de maio de 2014 at 13:24

    Oi, Rê. Tudo bem? 🙂

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.

    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie – Boia

    • Renata Inforzato Responder    

      31 de maio de 2014 at 21:32

      Oi Natalie, mais uma vez agradeço a vc, ao Ricardo Freire e a toda equipe do Viaje na Viagem pelo apoio. Um beijão

  • Lílian Veiga Responder    

    29 de maio de 2014 at 17:58

    Bem interessante e explicativo . Minha filha gostará com certeza. Mais uma vez, parabéns por seus textos Rê!

    • Renata Inforzato Responder    

      31 de maio de 2014 at 21:31

      Oi Lilian, obrigada você por acompanhar um blog. Tenho sorte em ter leitores como vc. Espero que sua filha goste. Um beijão pras duas.

  • Elaine Braga Responder    

    29 de maio de 2014 at 23:24

    Eu realmente VIAJO com seu blog. Uma delícia! Beijos

  • Guta | Vambora! Responder    

    2 de junho de 2014 at 14:37

    Nossa adorei também! Como arquiteta e viajante 🙂
    Não sabia que era tão perto e fácil ir de Paris assim…mais uma coisa na lista de coisas para se fazer na cidade! Muito legal!

    • Renata Inforzato Responder    

      2 de junho de 2014 at 20:16

      Oi Guta. Que legal vc por aqui! Sim, é bem perto de Paris, e um passeio de nem meio dia. Obrigada pela visita e um beijão

  • Roseana Ribeiro Responder    

    8 de novembro de 2014 at 23:34

    Nossa, me encantei ainda mais com a Villa Savoye!
    Parabéns pela publicação e seus comentários sobre cada detalhe dessa obra de Le Corbusier. Estudo arquitetura, e o post me deu ainda mais vontade de conhecer.

    Renata, você poderia me tirar uma dúvida… estou pensando em conhecer a Villa Savoye, e gostaria de saber como é essa tarifa reduzida de 4,50? Onde compro o ticket para entrar? Estudante de arquitetura não paga?
    Obrigada.

    • Renata Inforzato Responder    

      10 de novembro de 2014 at 21:09

      Oi Roseana, a tarifa reduzida é para menores de 26 anos. Normalmente, nos museus, estudante maior que essa idade paga o bilhete inteiro, mesmo sendo estudante. O ticket você compra lá dentro da Villa Savoye mesmo e não tem filas, é sossegado. Quando vc for lá, volta aqui pra contar pra gente como foi a visita. Obrigadão pelo comentário e um abraço

  • Cité de l’Architecture et du Patrimoine – o museu que fez da cópia uma obra de arte - Direto de ParisDireto de Paris Responder    

    16 de fevereiro de 2016 at 23:34

    […] de habitação de Marseille, o original realizado em 1952 por Le Corbusier, o mesmo que fez a Villa Savoye. Ele representa a síntese de todos os temas tratados nessa parte do […]

  • Erika Responder    

    16 de maio de 2017 at 18:56

    Estou indo a Paris em poucos dias, em uma outra viagem não tive a oportunidade de visitar esse ícone da arquitetura modernista. Um sonho! Obrigada pelas dicas e pela excelente matéria, parabéns

  • Direto de Paris - Jornalismo em Paris Responder    

    18 de outubro de 2017 at 12:27

    […] às 18h. Dia em que é gratuito: primeiro domingo do mês. Para saber mais veja o matéria sobre a Villa Savoye aqui no […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Direto de Paris usa cookies para funcionar melhor. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close