Parques & Jardins

Buttes-Chaumont – O parque que nasceu do cimento

3 de outubro de 2012

O Buttes-Chaumont é um dos maiores, senão o maior parque de Paris. Com 25 hectares, está situado no 19º arrondissement, a meio caminho entre a região de La Villette e Belleville. Todos os anos, atrai mais de três milhões de visitantes, entre os quais os próprios parisienses.

Buttes-Chaumont

Mas ele não é um parque como os outros. Seu relevo acidentado, com alturas entre 80 e 101 metros, seu templo em estilo romano e até uma cascata o tornam diferente de qualquer outra atração em Paris. E o mais surpreendente de tudo: é completamente artificial. O próprio nome já dá uma ideia de como era o lugar. Chaumont é a contração de “chauve” (careca) e “mont” (monte). Ou seja, era uma terra infértil e “pelada”.

Buttes-Chaumont

Um passado um tanto sinistro

De fato, durante a Idade Média, a região era uma das mais temidas não só pelo povo, mas, principalmente, pelos ministros franceses. Era ali perto que, desde o século XIII, ficava o Gibbet de Montfaucon, um simpático lugar onde os inimigos da Coroa Francesa – ou os pobres coitados com quem o rei implicava – eram enforcados e deixados ao ar livre para apodrecerem à vista de todos, como exemplo. A arquitetura da engenhoca era de meter medo e poucos se atreviam a perambular pela região. De ladrões a altos funcionários do Reino foram executados ali, principalmente ministros de finanças.

Buttes-Chaumont
O temido Gibbet de Montfaucon

O Gibbet foi desativado no século XVIII, dando lugar a uma espécie de fossa: dejetos das casas parisienses eram levados para lá. Com o lodo, fabricava-se um adubo, chamado de Poudrette de Montfaucon. Dizem que era possível prever o tempo só com os odores do lugar. O local também era usado para matar cavalos velhos e doentes. E assim permaneceu até 1850.

Buttes-Chaumont

Ao mesmo tempo, extraiam gipsita na região. Imensas pedreiras e galerias subterrâneas foram ali cavadas, pois a gipsita é um importante minério utilizado na fabricação de vários produtos, entre eles o gesso e o cimento. E o cimento de Paris era tão reputado, que era exportado até para os Estados Unidos. Até hoje há quem conheça o bairro onde está o parque pelo nome de “Quartier d’Amérique” (Bairro da América), que dizem ser uma referência a essas exportações.

Buttes-Chaumont

As pedreiras continuaram por muito tempo, mas, quando foram desativadas, em 1860, tornaram-se um problema. O local, que já era de relevo acidentado, ficou ainda pior e tornou-se refúgio de miseráveis e ladrões, que se escondiam nas irregularidades das antigas escavações, aproveitando-se do fato de que a polícia morria de medo de entrar ali. Era necessário dar uma utilidade para o lugar.

Buttes-Chaumont

O nascimento do parque

Foi, então, que em meados do século XIX, o barão Haussmann, prefeito de Paris, resolveu incluir a região do “Monte Careca” na grande reforma que estava fazendo na Cidade Luz, a mando do imperador Napoleão III. A ideia inicial era construir imóveis em toda a área. Mas, como era muito instável e perigosa, devido aos séculos de escavação de pedreiras, decidiram construir ali um parque.

Buttes-Chaumont

Os trabalhos começaram em 1864 e foram monumentais: mil trabalhadores, mais de 100 cavalos, 39 quilômetros de trilhos, 450 vagões, duas máquinas a vapor, além de toneladas de terras e vegetação. Haussmann confiou as obras ao engenheiro Jean-Charles Alphand e ao paisagista Jean-Pierre Barillet, os mesmos que foram responsáveis pela grande maioria de parques e jardins construídos e reformados durante a gestão do barão.

Buttes-Chaumont
Um dos pavilhões de guarda de uma das entradas do parque

O Buttes-Chaumont foi inaugurado em 1867, durante os dias da Exposição Universal, que acontecia no Champ de Mars (Campo de Marte). Foi um sucesso. Mas, pouco a pouco, a burguesia foi deixando de frequentar o local, pois não queria se misturar com as classes operárias, que moravam no bairro. Então, o parque passou a ser lugar de passeio das famílias dos trabalhadores, habitantes da região, que não demoraram a destruir o patrimônio: até as folhas das árvores foram usadas para fazer bebidas e chás expectorantes.

Buttes-Chaumont

Diversão para todo mundo

Hoje, após algumas reformas, uma delas entre 2003 e 2006, o Buttes-Chaumont mantém a mesma aparência e os elementos de quase 150 anos atrás. Ele possui cerca de cinco quilômetros em caminhos e trilhas, com diferentes alturas, seis entradas principais e nove secundárias.

Buttes-Chaumont
A Ponte Suspensa de 65m de comprimento

Buttes-Chaumont

Dois riachos artificiais, criados a partir das águas do canal de Saint-Martin e do canal de L’Ourcq, formam um lago de dois hectares: um deles, antes de chegar ao destino final, vira até uma cascata que deságua em uma gruta de 30 metros de altura, enfeitada por estalactites, tudo artificial. A gruta está situada na antiga entrada das pedreiras.

Buttes-Chaumont

Buttes-Chaumont

Buttes-Chaumont
A cascata mais de perto

Buttes-Chaumont

No meio do lago se ergue um rochedo-ilha, formado por rochas sobrepostas e concreto, com 30 metros de altura, no topo do qual está o templo de Sybille. Criado pelo arquiteto Gabriel Davioud, em 1869, é uma réplica do templo de Tivoli, localizado perto de Roma. Do alto da construção, temos uma das vistas mais bonitas de Paris, principalmente de Montmartre.

Buttes-Chaumont
O rochedo com o Templo de Sybille

Buttes-Chaumont

Buttes-Chaumont
Montmartre visto do Templo de Sybille

Para chegar ao rochedo, há duas pontes: uma de madeira, suspensa, de 65 metros de comprimento e outra de alvenaria, com o curioso nome de Pont des Suicidés (Ponte dos Suicidas). Também, pode-se chegar lá de barco e depois subir os 200 degraus de pedra do Chemin des Aiguilles. Mas, durante as minhas visitas, o barco não funcionou.

Buttes-Chaumont
Pont des Suicidés
Buttes-Chaumont
Pont des Suicidés

Vários canteiros de flores estão espalhados por todo o parque, assim como as árvores, muitas das quais centenárias e outras tantas exóticas, como acácias, tílias, cedros, sequóias e outras. Um bom programa é sair em busca delas, que são identificadas. As crianças adoram.

Buttes-Chaumont
Uma das árvores mais antigas do Buttes-Chaumont: o Platanus orientalis

Aliás, o Buttes-Chaumont é um ótimo lugar para ir com os pequenos: há escorregadores, balanços, pôneis e charretes para passear e até dois teatros de marionetes, o Guignol Anatole e o Guignol de Paris, que estão no local há mais de 100 anos, e onde todo mundo se diverte.

Buttes-Chaumont

Buttes-Chaumont

Em toda a grama do parque é permitido fazer piqueniques, que são até panorâmicos, pois as encostas dos montes são gramadas. Se quiser usá-las somente para uma soneca, o lugar possui três restaurantes e vários quiosques para matar a fome. Durante o verão, acontecem diversos eventos, como concertos e festivais de cinema, que vão até tarde da noite.

Buttes-Chaumont

Hoje, quem vê a beleza do Buttes-Chaumont nem imagina seu passado. Podemos até dizer que o parque nasceu das cinzas, ou melhor, do adubo e do cimento. Se você ainda não o conhece, fica a sugestão para incluí-lo em sua próxima viagem. Tenho certeza de que vai gostar.

Buttes-Chaumont

Parque Des Buttes-Chaumont
1 rue Botzaris 75019 PARIS
Outros acessos: rue Manin, rue de Crimée, rue Simon Bolívar
Horários: De 1º de maio a 31 de agosto: das 7h às 22h
De 1º de setembro a 30 de setembro: das 7h às 21h
De 1º de outubro a 30 de abril: das 7h às 20h.
Metrôs: Laumière (linha 5), Buttes-Chaumont e Botzaris (ambos linha 7bis)
Para mais informações clique aqui

Buttes-Chaumont
Vista do parque a partir do tempo de Sybille

* Reserve hotel para Paris e outras cidades do mundo com o Booking
* Compre seu seguro de viagem com a Real ou com a Mondial
* Para fazer passeios e excursões, contate a ParisCityVision
* Para transfer e passeios privados, contate a França entre Amigos
* Compre ingressos fura-fila para várias atrações de Paris e outras cidades com a Ticketbar
* Alugue um carro com a Rentalcars
* Saiba mais sobre Cursos de idiomas no exterior

Renata Rocha Inforzato

Sou de São Paulo, e moro em Paris desde 2010. Sou jornalista, formada pela Cásper Líbero. Aqui na França, me formei em História da Arte e Arqueologia na Université Paris X. Trabalho em todas essas áreas e também faço tradução, mas meu projeto mais importante é o Direto de Paris. Amo viajar, escrever, conhecer pessoas e ouvir histórias. Ah, e também sou louca por livros e animais.

Comentários (39)

  • Gislaine Responder    

    3 de outubro de 2012 at 23:27

    Adorei o texto, fiquei com vontade de conhecê-lo numa próxima ida….fiquei curiosa com o nome da ponte (Pont des Suicidés), por que será??? Obrigada pela lembrança Renata, e parabéns pelo trabalho!!!

    • Renata Inforzato Responder    

      3 de outubro de 2012 at 23:35

      Gislaine, obrigadão! Dei uma pesquisada e dizem que é porque quem tentar se matar ali, não tem como sair vivo.. Como essa explicação não me convenceu, perguntei à prefeitura de Paris e assim que tiver uma resposta, coloco aqui 🙂 beijos

  • Gislaine Responder    

    3 de outubro de 2012 at 23:48

    Com certeza Re, pela altura da foto, só se não for a hora dele….legal, quando você tiver uma resposta da prefeitura, posta pra gente saber! beijos

  • Marilda Responder    

    4 de outubro de 2012 at 0:06

    Ótimo texto! Esclarecedor, atraente, oferecendo tudo para incentivar aos que ainda não conhecem esse lugar, boas desculpas para fazê-lo o quanto antes. Gostei de ver que Vc citou o passado tenebroso do local, coisa que ainda não tinha lido em nenhum texto de jornalistas ou blogueiros que falam do Buttes-Chaumont. Parece que as pessoas evitam comentar esse passado (ou desconhecem mesmo). Eu, ao contrário, acho importante mostrar mais essa passagem histórica de Paris e como uma cidade pode se reinventar sempre em benefício de seus habitantes e visitantes. Parabéns pelo texto! Bjs

    • Renata Inforzato Responder    

      4 de outubro de 2012 at 10:13

      Marilda, obrigada!!! Não tem como não citar o passado do parque até porque é o que o torna mais fantástico ainda. Imagina, o lugar que era degradante hoje é um dos parques mais belos da cidade… Se você quiser ler com detalhes como era uma execução no Montfaucon, leia os Reis Malditos, acho que é o volume 2, que conta a execução do ministro Marigny ali na época de Luis X. bjão

  • Denise Responder    

    4 de outubro de 2012 at 11:06

    Rê, com vc e seu blog, sempre haverá Paris!
    Estive aí duas vezes pessoalmente e, graças a vc posso matar a saudade sempre através dos seus textos!
    Obrigada
    Bj

    • Renata Inforzato Responder    

      5 de outubro de 2012 at 11:32

      Oi Denise, que legal vc comentar! Obrigada mesmo! Espero que os textos te deem mais vontade de voltar e que em breve nos vejamos. Um beijão

  • Lílian Veiga Responder    

    4 de outubro de 2012 at 19:57

    Maravilha conhecer um pouco mais da história deste lugar, que me pareceu muito aprazível e que já está no caderno “Próxima Vez”!

    Excelente texto e fotos…parabéns Renata!

    beijocas

    • Renata Inforzato Responder    

      5 de outubro de 2012 at 11:33

      Lilian, obrigadão! Você não vai se arrepender desse passeio pode ter certeza…Um beijão!

  • Milena F. - Viver Plenamente Paris Responder    

    5 de outubro de 2012 at 14:51

    Gosto muito do Buttes-Chaumont mas não chega ser o meu preferido, até mesmo pelo revelo acidentado (o que para mim não é muito agradável para um pique-nique ou ficar lagarteando em domingos ensolarados)… Mas é muito bonito, um lugar de lazer para grandes e pequenos!!!

    • Renata Inforzato Responder    

      5 de outubro de 2012 at 20:43

      Oi Milena, fiquei curiosa em saber qual seu preferido…Obrigada pelo comentário. Um beijão

  • Agamenon Plait Responder    

    7 de outubro de 2012 at 15:36

    Renata,
    Excepcional sua visão do parque. Vendo esta matéria e lembrando que estive em Paris em março deste ano e não visitei este lugar, não me perdoo.
    Paris é belíssima e me conquistou. Efetivamente não tinha planos de conhecer a cidade luz. Acredite, ela nunca me atraiu. No entanto após minha ida, percebi o quanto tinha a visão deturpada e pequena. Aí é um pedaço do paraíso.
    Vivi, aos pés da torre, uma experiência transcendental. Algo maluco e extremamente divino. Por conta desta experiência estou escrevendo um livro e espero contar a todos o que se passou neste canto do mundo. A torre Eiffel é uma construção que retrata muito bem a nossa obra e história. Analogias à parte, quero voltar a Paris o mais breve possível.
    Fui intimado, pelo outro lado, a dividir minha experiência e vida. Faço isto no livro que sai do forno em breve.
    Por enquanto vou passeando pelo seu espaço e matando a saudade.
    Parabéns.
    Sucesso sempre, foco contínuo.
    Forte abraço,

    • Renata Inforzato Responder    

      18 de outubro de 2012 at 19:54

      Obrigada, Agamenon! Espero que você possa voltar logo e viver novas e maravilhosas experiências. Um abração!

  • ERIK Responder    

    20 de novembro de 2012 at 20:22

    Senhorita Renata, o seu blog é fascinante, pois contém informações históricas essenciais para dar mais charme aos locais descritos e aguçar a curiosidade dos menos afeitos à parte cultural de uma cidade… Como diria Tolstói, “Há quem passe pelo bosque e só veja lenha para fogueira”. Esses se restringirão à Torre e à Champs Elysees, nós nos esbaldaremos em museus, castelos, igrejas góticas e parques da cidade. Que seu talento para escrever continue a nos brindar com tão ricas informações!
    Abraços

    • Renata Inforzato Responder    

      20 de novembro de 2012 at 23:16

      Nossa, Erik, obrigadão mesmo!!!! São comentários assim que me incentivam a continuar. :))) Obrigada pela leitura e seja sempre bem-vindo!

      • ERIK Responder    

        20 de novembro de 2012 at 23:52

        Bem, minha cara, o seu blog sobre Paris é de longe o melhor que já li… os detalhes históricos esmeradamente detalhados e ilustrados com imagens… francamente… não se vê isso em um blog (os outros são de grande ajuda também, mas se estagnam nos detalhes técnicos – é nisso em que você e Ina Caro se distinguem dos outros)… você não faz isso apenas para prestar ajuda ou para se aparecer… você faz isso com amor… parabéns!

        • Renata Inforzato Responder    

          21 de novembro de 2012 at 21:11

          Obrigada mesmo, Erik! Sim, adoro demais o que faço e escrever sobre Paris, História, Turismo e Artes…. Amanhã vou ver a informação que te prometi. Abraços

          • ERIK

            21 de novembro de 2012 at 22:35

            Obrigado, querida!!!!!!!!!!!

  • Maria da Graça Lima Martins Responder    

    9 de janeiro de 2013 at 13:57

    prezada Renata,

    Parabéns pelas informações detalhadas de Paris em seu blog. Sou também tradutora formada na Ibero Americana em São Paulo. Sou verdadeiramente apaixonada pela França, principalmente Paris. Morei por 02 anos nesta belíssima cidade. Caso queira trocar experiencias estou aqui para lembrar e reviver este lugar de fascínio.

    Um grande abraço e mais uma vez parabéns pelas reportagens. Me envie seu e-mail.

    Bjs,
    Graça

    • Renata Inforzato Responder    

      9 de janeiro de 2013 at 20:46

      Oi Maria da Graça,
      Obrigada mesmo pelos elogios! Pois é, temos várias coisas em comum: tradução, Paris, São Paulo. Fique a vontade para me escrever, o email é reinforzato@gmail.com
      Um grande beijo

  • Conciergerie – de palácio do rei a prisão da rainha | Direto de Paris Responder    

    11 de fevereiro de 2013 at 1:19

    […] do rei, ele sairia dali direto para ser enforcado em Montfaucon (perto de onde é hoje o parque Buttes-Chaumont). Outro prisioneiro ilustre da monarquia foi François Ravaillac, assassino do rei Henrique IV, em […]

  • AS 5 MAIS :: Paris « 1001 Roteirinhos Responder    

    9 de abril de 2013 at 13:21

    […] num belo parque? Alguns dos meus parques preferidos para piquenique: Parc Montsouris (13ème), Parc Buttes-Chaumont (20ème), Parc Monceau (8ème), Parc André Citroën (15ème), Parc de la Villette (20ème) e Parc […]

  • Ivani Iaropoli Campos Carneiro Responder    

    8 de maio de 2013 at 2:12

    Olá Renata,gostei muito de visitar seu blog e informações preciosas que dá a todos que necessitem delas. Tambme sou paulista,paulistana para dizer a verdade.Mora à alguns anos em Brasília, capital do nosso querido Brasil. Mas tenho o” Sampa “no meu coração.
    Adoro a França, já tive a oportunidade de visitá-la duas vezes anteriormente, agora neste ano de 2013 pretendo voltar no mês de setembro para saborear mais um pouco do lindo idioma e da cidade LUZ, que adoro demais.
    Iremos em um grupo de 8 a 10 pessoas todos parentes e eles não falam o françês por essa razão gostaria que desse dicas de passeios com guias que falem o português, se conheces alguém ou aonde encontrar, se é através de agências de turismo ou outras opções. Obrigada, estarei no aguardo de sua resposta. Ivani

  • Ana Maria Albergaria de Magalhaes Responder    

    4 de julho de 2013 at 3:58

    Conheco o Parc Buttes Chaumont…..fiquei hospedada bem pertinho dele,na avenue Secretan 89 e sempre que tinha um tempinho,passeava por suas alamedas ou me sentava num banco para fazer palavras cruzadas e observar os transeuntes.
    Sinto saudades e um dia,quem sabe,poderei voltar a Paris?
    Bonne chance !

    • Renata Inforzato Responder    

      4 de julho de 2013 at 9:55

      Oi Ana Maria! Claro que vc vai voltar! Pode acreditar, vai voltar sim, rever o Buttes-Chaumont e até conhecer muitos outros. Obrigadão pela visita e bonne chance à vous aussi. Bjs

  • Margem esquerda do Sena – Mais de dois quilômetros de diversão em Paris | Direto de Paris Responder    

    6 de agosto de 2013 at 9:23

    […] esperadas é o barco que vai abrigar uma filial do Rosa Bonheur, o famoso restaurante do parque Buttes-Chaumont. A ideia é recriar o espírito das guinguettes. Para quem não sabe, guinguettes eram lugares de […]

  • Direto de Paris: dicas de atrações turísticas que nem sempre sabemos que existem | Turista Profissional Responder    

    20 de novembro de 2013 at 13:36

    […] – Buttes-Chaumont – O parque que nasceu do cimento; […]

  • Piquenique em Paris | Operação Asterix Responder    

    14 de dezembro de 2014 at 16:41

    […] Parc Buttes-Chaumont: lindissimo parque no 20ème arrondissement, num dos pontos mais altos da cidade. Vista maravilhosa da cidade e um dos spots preferidos dos parisienses para piquenique. O unico inconveniente é que o parque é quase todo em declive, o que nem sempre é pratico num piquenique. […]

  • Marise Responder    

    10 de julho de 2015 at 19:34

    Estive hospedada em frente a este parque e não o visitei acreditam? Pois eram poucos dias e priorizei outros pontos turísticos Mas na minha próxima viagem a Paris ele será prioridade de visita.

  • marise Responder    

    10 de julho de 2015 at 19:40

    Minha visita a este parque ficará para minha nova visita a Paris, apesar de ter ficado em frente a este lindo parque.

    • Renata Inforzato Responder    

      17 de julho de 2015 at 21:50

      Oi Marise, te entendo, a gente nunca consegue visitar tudo o que quer. Mas tenho certeza de que vc aproveitou muito bem o que visitou. Um beijo e obrigada pelo comentário

  • Paris – um novo centro comercial em um antigo mercado de bairro - Direto de ParisDireto de Paris Responder    

    4 de dezembro de 2015 at 20:48

    […] Outro deles foi construído em 1868, ali no meio do caminho entre o Canal de Saint-Martin e o Parc des Buttes-Chaumont, onde já havia barracas a céu aberto e um antigo lixão, este último desativado em 1845. Era o […]

  • luiz eduardo Responder    

    17 de dezembro de 2015 at 11:48

    Muito obrigado Renata por suas fantasticas reportagens historicas na cidade luz! Eu que nao gosto tanto assim de Paris senti vontade de retornar so para mais uma vez passear nesse parque que realmente acho uma das varias perolas que Paris possui…

    • Renata Inforzato Responder    

      17 de dezembro de 2015 at 18:39

      Oi Eduardo, que legal vc comentar aqui. Muito obrigada mesmo… Espero que vocês voltem logo pra gente ir passear por aqui todos juntos. Um beijão

  • Parc Montsouris - de monte dos camundongos a parque dos estudantes em Paris - Direto de ParisDireto de Paris Responder    

    18 de janeiro de 2016 at 14:32

    […] arrondissement (distrito). É o segundo pulmão verde da cidade, com 16 hectares, apenas atrás do Parc Buttes-Chaumont que, aliás, foi construído na mesma época. O nome Montsouris vem do fato de que no lugar havia […]

  • Direto de Paris - Jornalismo em Paris Responder    

    21 de julho de 2016 at 0:53

    […] bulevares, assim como de uma série de áreas verdes pela cidade. Foi nessa época que os parques Des Buttes Chaumont e Montsouris, por exemplo, são […]

  • Direto de Paris - Jornalismo em Paris Responder    

    12 de agosto de 2017 at 10:58

    […] restaurante Rosa Bonheur já contava com duas unidades em Paris: uma no Parc des Buttes-Chaumont e outra nas Margens do Sena. E, desde metade de junho, uma terceira foi aberta, às portas da […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Direto de Paris usa cookies para funcionar melhor. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close