Museus

Musée Delacroix – Fazendo uma visita ao pintor

31 de maio de 2013

Eugène Delacroix (1798-1863) foi um dos mais importantes artistas do século XIX. Autor de quadros, afrescos, desenhos e gravuras, além de ser um teórico da História da Arte, foi uma influência para outros mestres, como os impressionistas, e até para a pintura moderna. Viveu em muitos lugares em Paris, sendo o apartamento da praça Furstenberg, no bairro de Sant-Germain-des-Prés, sua última casa e ateliê. É nesse local que hoje fica o Museu Delacroix.

Musée Delacroix
Jardim e ateliê do Museu Delacroix

Um apartamento calmo e perto do trabalho

Em 1847, Delacroix recebe a encomenda para decorar a capela de Saints-Anges na igreja Saint-Sulpice. Nessa época, o pintor vivia e trabalhava na rua Notre-Dame de Lorette já havia três anos. Porém, com o passar dos anos, ficou doente e o trajeto de sua casa até a igreja foi ficando cada vez mais penoso.

Musée Delacroix
Eugène Delacroix – Autoportrait dit en Ravenswood ou en Hamlet (autorretrato como Ravenswood), 1821.

Então, no começo de 1857, Delacroix passou a procurar um novo local para morar e instalar seu ateliê. Ele contou com a ajuda de um grande amigo, Étienne Haro, um restaurador de quadros. Foi Étienne que encontrou o apartamento da praça Furstenberg que, além de ser perto da igreja, era grande e ficava em um lugar calmo e arborizado. A construção fazia parte do antigo palácio abacial de Saint-Germain-de-Prés.

Musée Delacroix

Mas as negociações demoraram cerca de um mês. Delacroix estava reticente, mas para convencê-lo a ficar com o apartamento, Haro recorreu a Jenny Le Guillou, a fiel governanta, que trabalhava para o artista desde 1835. Ao mesmo tempo, obteve dos proprietários um contrato que permitia a construção de um ateliê no jardim, desde que os projetos fossem aprovados por eles. O tempo desse contrato era de quinze anos e se Delacroix morresse antes disso, os donos poderiam exigir o restabelecimento do apartamento em seu estado de origem.

Musée Delacroix
Placas de marfim que Delacroix utiliza como paletas de pintura

A reforma começou em maio, com a supervisão do próprio artista, além da de Étienne Haro. Em dezembro de 1857, entre os dias 24 a 28, Delacroix finalmente se instala no novo local. Ele estava encantado: nas suas correspondências, menciona a calma do bairro, a luz que banha os tetos das construções vizinhas, a beleza do jardim. Além, é claro, do espaço, que era bem maior do que na sua antiga moradia.

Musée Delacroix
O jardim do museu

De fato, o apartamento compreendia um vestíbulo, dois quartos (o dele e o de Jenny), uma sala de jantar, cozinha, sala de estar, a biblioteca, o ateliê e o jardim. Delacroix dispunha também, no último andar, de dois quartos para empregados e uma cave. Mas o pintor deve esperar até março de 1858 para começar a trabalhar no ateliê, pois as reformas duram até a primavera. Assim, é ali, nesse apartamento, que ele trabalha e vive os seis últimos anos de vida.

Musée Delacroix
Antoine Etex – Busto de Delacroix

Após a morte de Delacroix, em 1863, a Sociedade São Vicente de Paula obtém o aluguel do apartamento e do ateliê. Até que em 1928, Charles Panckoucke, que havia herdado a propriedade em 1914, decide romper o contrato, que ia até 1931. Corria o boato de que o herdeiro planejava demolir a construção para fazer uma garagem no local.

Musée Delacroix
Ateliê de Delacroix

Para impedir a demolição, os membros da Association Sauvegarde de l’Art Français (algo como Associação de amparo à arte francesa) tentam fazer com que o ateliê e o jardim sejam classificados como monumento histórico. Assim, impediriam qualquer destruição. Porém, esse pedido só é concedido em 1991.

Musée Delacroix
Uma das paletas que pertenceu a Delacroix

Aí entram em cena os amigos e admiradores do artista, que fundam, às pressas, a Société des Amis d’Eugène Delacroix (Sociedade de Amigos de Eugène Delacroix). Eles conseguem convencer Panckoucke a não destruir a construção. E também conseguem alugá-la. Porém, não tinham dinheiro e, em 1931, recorrem à prefeitura de Paris para pagar o aluguel e fazer algumas reformas no apartamento. A Sociedade também organiza, no local, exposições anuais dedicadas à Delacroix.

Musée Delacroix
Eugène Delacroix – Portrait de Léon Riesener (Retrato de Léon Riesener), 1856

Tudo ia bem até que, em 1946, Packoucke morre sem deixar herdeiros. Então, ele deixa suas propriedades para o Sanatório de Pen-Bron, que havia conhecido durante a Segunda Guerra Mundial e ficado tocado com o estado precário do lugar e das finanças. Em troca, o sanatório deveria construir um pavilhão dedicado ao benfeitor.

Musée Delacroix

Porém, os administradores não tinham dinheiro para efetuar as reformas para construir o tal Pavilhão Panckoucke. Por isso, são obrigados a vender vários imóveis, incluindo o antigo apartamento de Delacroix.

Musée Delacroix
Cavalete que pertenceu a Delacroix

Decidida a adquirir a antiga moradia do mestre, a Société des Amis vende uma parte de sua coleção aos museus nacionais franceses para poder reunir o dinheiro necessário. Dois anos depois, ela cede a propriedade ao Estado, que é encarregado de criar ali um museu. Assim, em 1971, o museu Eugène Delacroix torna-se o Museu Nacional Eugène Delacroix. Em 1992, o Estado adquire o apartamento vizinho para construir a recepção e, em 2004, o museu é anexado ao Louvre.

Musée Delacroix
Jardim do musée Delacroix visto da porta da biblioteca

A visita
Do apartamento de Delacroix, podemos visitar a sala, a biblioteca, o quarto, além do ateliê e o jardim. Os móveis são da época do pintor e alguns até mesmo pertenceram a ele. Várias de suas obras – como quadros, rascunhos, desenhos e gravuras – estão expostas, além de outras de seus contemporâneos e amigos, adquiridas pelo próprio Delacroix. Podemos também ver cartas, objetos pessoais e as lembranças trazidas de sua viagem ao Marrocos.

Musée Delacroix
Objetos trazidos por Delacroix da viagem ao Marrocos, em 1832

O museu organiza várias exposições temporárias ao longo do ano, todas dedicadas ao artista ou releituras de sua obra. Além disso, o acervo exposto é mudado periodicamente. Mas, a essência da visita permanece a mesma e é a seguinte:

Musée Delacroix

A sala
Foi arrumada de acordo com a disposição da época de Delacroix. Um inventário feito pouco após a morte do artista mostrava a lista de objetos e disposição dos móveis. Estão expostas na sala, além de objetos pessoais, algumas obras de Delacroix, como Autoportrait en Hamlet, e outras adquiridas por ele, como os quadros de Richard Parkes Bonington.

Musée Delacroix
A Sala do apartamento de Delacroix

Uma curiosidade são os retratos do próprio artista e de Thales Fielding (1793 – 1837), seu grande amigo. O retrato de Delacroix foi feito por Fielding, e o de Fielding por Delacroix. Uma bela troca de talento simbolizando a amizade.

Musée Delacroix
Thales Fielding – Portrait de Delacroix (Retrato de Delacroix), 1824
Musée Delacroix
Eugène Delacroix – Portrait de Thales Fielding (Retrato de Thales Fielding),1824

Biblioteca
No tempo do artista, esse cômodo era a passagem para ir até o ateliê. Também era onde os visitantes esperavam para serem atendidos pelo pintor. Na biblioteca, Delacroix guardava cerca de 400 livros e sua coleção do Magasin Pittoresque. Hoje, estão expostos ali vários estudos que o artista realizou para a decoração do Palais Bourbon (onde hoje é a Assembleia Nacional francesa), entre outros desenhos. Há, também, um busto de Delacroix de Antoine Etex.

Musée Delacroix
A antiga biblioteca do apartamento de Delacroix

Saindo da biblioteca, pegamos uma escadaria para ir ao ateliê. Quando o artista vivia ali, essa escadaria era envidraçada para que ele, que já estava com a saúde abalada, pudesse ir trabalhar sem ser incomodado pelo frio ou pela chuva. Na verdade, foi a prima e amante de Delacroix, Joséphine de Forget, que o convenceu a fechar a escadaria. Ela achava que o jardim era úmido e desprotegido.

Musée Delacroix
O jardim e a escada que sai da biblioteca

Ateliê
Foi um pouco modificada desde o tempo do artista, mas é possível sentir ali atmosfera que reinava durante seu trabalho: um lugar de calma, tranquilidade e luz, propício para a criação de obras-primas, como os afrescos da capela Saints-Anges, na Saint-Sulpice, ou os quadros para o salão de 1859, o último em que participa.

Musée Delacroix
Ateliê de Delacroix

Ali está a maioria dos quadros de Delacroix do museu, como, por exemplo, L’Education de la Vierge, além dos objetos, como o seu cavalete, uma de suas paletas e as lembranças vindas do Marrocos. Há também belas obras de outros artistas, da mesma época ou estilo, como as do seu primo Leon Riesener (1808 – 1878).

Musée Delacroix

Musée Delacroix
Eugène Delacroix – L’Education de la Vierge (A Educação da Virgem Maria),
Musée Delacroix
Léon Riesener – Tête d’homme au turbante (Cabeça de homem de turbante).

As duas métopas e o baixo relevo da fachada principal do ateliê (que podemos ver a partir do jardim) foram comprados pelo próprio Delacroix

Musée Delacroix
As duas métopas (no alto) e o baixo relevo (embaixo da janela) da fachada do ateliê de Delacroix

Jardim
Foi reformado recentemente para ficar mais próximo ao que Delacroix mantinha. A descrição foi encontrada em documentos antigos, embora não haja nenhuma obra do pintor retratando o jardim.

Musée Delacroix
Canteiros do jardim de Delacroix

Ainda hoje é um lugar calmo, onde não ouvimos o barulho de Saint-Germain-des-Prés, um dos bairros mais animados de Paris. Imagine, então, no tempo do pintor! Em suas correspondências, o artista menciona que ali ele sentia um prazer renovado em cada estação. Era a inspiração perfeita para a sua sensibilidade criativa.

Musée Delacroix

Musée Delacroix

Quarto
Voltando ao apartamento para a parte final da visita, temos o quarto de Delacroix. Foi ali que ele morreu em 13 de agosto de 1863. Assim como o restante dos cômodos, a maior parte dos móveis que estavam ali foi dispersa após a morte do pintor. Mas, de novo graças ao inventário, o museu pôde adquirir alguns deles, como uma cadeira que pertenceu ao artista e que está atualmente exposta nesse cômodo. No quarto também estão expostos principalmente quadros que Delacroix fez de seus próximos, como o retrato de Jenny, Le Guillou, a sua governanta.

Musée Delacroix
Quarto de Delacroix. À esquerda, a cadeira que pertenceu ao pintor
Musée Delacroix
Eugène Delacroix – Portrait de Jeanne-Marie, dite Jenny, Le Guillou (Retrato de Jeanne-Marie, chamada de Jenny, le Guillou.

Após o quarto e antes de chegarmos à livraria, há uma sala de informação, com um grande mapa de Paris, onde estão colocados todos os apartamentos em que Delacroix viveu, assim como as construções, públicas ou religiosas, que ele decorou e os museus que conservam sua obra.

Musée Delacroix

Musée National Eugène Delacroix
6 rue de Furstenberg
75006 Paris
Horários:Aberto de quarta a segunda, das 9h30 às 17h00.
Fechado às terças-feiras.
Tarifas- coleção permanente: 5 euros
Exposições temporárias: 7 euros
Bilhete conjunto com o Louvre: 11 euros, válido no dia da compra para as coleções permanentes.
Fotos: são proibidas durante as exposições temporárias.
Metrôs: Metrô: Saint-Germain-des-Prés (linha 4) ou Mabillon (linha 10)

Musée Delacroix

Musée Delacroix

* Reserve hotel para Paris e outras cidades do mundo com o Booking
* Compre seu seguro de viagem com a Real ou com a Mondial
* Para fazer passeios e excursões, contate a ParisCityVision
* Para transfer e passeios privados, contate a França entre Amigos
* Compre ingressos fura-fila para várias atrações de Paris e outras cidades com a Ticketbar
* Alugue um carro com a Rentalcars
* Saiba mais sobre Cursos de idiomas no exterior

Renata Rocha Inforzato

Sou de São Paulo, e moro em Paris desde 2010. Sou jornalista, formada pela Cásper Líbero. Aqui na França, me formei em História da Arte e Arqueologia na Université Paris X. Trabalho em todas essas áreas e também faço tradução, mas meu projeto mais importante é o Direto de Paris. Amo viajar, escrever, conhecer pessoas e ouvir histórias. Ah, e também sou louca por livros e animais.

Comentários (28)

  • vera lucia vecchi cabanas Responder    

    3 de junho de 2013 at 13:15

    Nossa!!! Belo trabalho! Me senti em Paris dento do museu. Adorei

    • Renata Inforzato Responder    

      3 de junho de 2013 at 17:46

      Oi prof. Vera. Muito obrigada mesmo!!!! E tudo isso devo a vc, que foi uma das pessoas que mais participou da minha formação 🙂 beijão

  • Gislaine Responder    

    3 de junho de 2013 at 13:22

    Adorei o texto! Apesar de gostar muito das obras de Delacroix, pouco sabia da sua vida. Não sabia que o museu tinha sido anexado ao Louvre, não o conheci, mas será mais uma dica para a próxima viagem! Parabéns Re, adorei!!!

    • Renata Inforzato Responder    

      3 de junho de 2013 at 17:48

      Oi Gi, ele é rapidinho de ser visitado. Dá pra incluir em um passeio em Saint-Germain-des-Prés, já que fica muito perto da igreja. Obrigadão pela visita, e um beijo

      • Gislaine Responder    

        12 de junho de 2013 at 20:48

        Pois é Re, fiquei hospedada na região e não vi…..fica pra próxima, assim eu terei que voltar!!!

  • Elaine Braga Responder    

    3 de junho de 2013 at 13:32

    Que maravilha! Matérias sempre abundantes de ótimas informações e imagens! Adorei!

  • Lílian Veiga Responder    

    3 de junho de 2013 at 13:58

    Mais uma vez Renata, dando show nos seus textos e na explanação da obra e vida do pintor. Adorei ler e aprender um pouco mais.
    Beijos e obrigada por nos brindar com tanta história!!!

    • Renata Inforzato Responder    

      3 de junho de 2013 at 17:50

      Oi Lilian. Eu que tenho que te agradecer por estar sempre aqui. Muito obrigada mesmo, querida. Beijos

  • Eliane Borges Santinoni Responder    

    4 de junho de 2013 at 0:10

    Oi Renata, sou amiga da Gi e estudamos juntas.
    Visitei esse museu em setembro de 2012, o jardim é muito bonito mesmo (já é outro claro) foi só ali que vi rosas de sta Teresinha. Lugar pequeno mas ,aconchegante.
    Adorei seu texto, vejo suas publicações e gosto muito. A história do Buttes Chaumont é fantástica!
    Parabéns vc escreve muito bem!

    • Renata Inforzato Responder    

      4 de junho de 2013 at 23:36

      Oi Eliane. Muito obrigada pelo elogio!!! Obrigada mesmo. Aquele jardim é muito gostoso. Já pensou ter um desse em casa? Paris é cheia desses cantinhos mágicos. Vou, aos poucos, escrevendo sobre eles, mas sei lá quando vou terminar, se é que isso é possível… Um beijo

  • Monica Toledo Responder    

    4 de junho de 2013 at 2:53

    Não conheço ainda, mas já fica anotado pra próxima! Ótimo texto.

  • Karla Gê Responder    

    5 de junho de 2013 at 1:14

    Oi, Renatinha!
    Eu fui a esse museu em 2010 e achei bem bacana, mas o jardim não estava tão lindo, acho que ainda não o tinham reformado. Tenho que voltar!
    Adorei o post! É sempre bom saber mais da vida dos artistas que admiramos. Seus posts são sempre muito informativos e de alto valor histórico.
    Beijão

    • Renata Inforzato Responder    

      5 de junho de 2013 at 19:32

      Oi Karlinha

      Obrigada, querida!!!! Então, agora o jardim foi reformado e está mais próximo ao da época de Delacroix. Quando vc vier vai ver a diferença. Um beijão

  • Eliane Borges Santinoni Responder    

    5 de junho de 2013 at 1:33

    Tomara que seja impossível de vc parar de fazer comentários! kkk
    Obrigada! vou postar as minhas fotos de lá , pra vc ver como tbem estava lindo!
    Bjo

    • Renata Inforzato Responder    

      5 de junho de 2013 at 19:34

      Oi Eliane
      Coloca a foto e me acha no facebook, quero ver sim. Pode ficar sossegada, pra mim é impossível parar de escrever e também adoro interagir com os leitores. Essa troca é a melhor coisa e é o que faz todo o trabalho valer a pena! Volte sempre e obrigadão. bjs

  • Boia Paulista Responder    

    6 de junho de 2013 at 12:42

    Oi, Rê. Tudo bem? 🙂

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.

    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie – Boia Paulista

  • Marilda Teixeira Responder    

    27 de março de 2014 at 3:41

    Oi Renata
    Mais uma das suas dicas imperdíveis! Com certeza, irei conhecer.
    Obrigada! Bjs

    • Renata Inforzato Responder    

      28 de março de 2014 at 22:11

      Oi Marilda, é uma visita rápida até, mas é bem emocionante pra quem é fã das obras dele. Um beijão e obrigada

  • Saint-Sulpice – a igreja das torres desiguais | Direto de Paris Responder    

    9 de junho de 2014 at 22:36

    […] já com Napoleão I. Durante o século XIX, ela recebe várias obras, dentre elas os afrescos de Delacroix e é terminada em 1870 com a colocação da balaustrada entre as torres, prevista quase cem anos […]

  • Maison de Victor Hugo - conhecendo as várias facetas do escritor - Direto de ParisDireto de Paris Responder    

    19 de novembro de 2015 at 0:20

    […] em locais que foram importantes para elas. Já falei no blog sobre o apartamento e ateliê de Delacroix , em Paris, e da Maison do Doutor Gachet, em Auvers-sur-Oise. Agora é a vez de Victor Hugo, e […]

  • Direto de Paris - Jornalismo em Paris Responder    

    7 de maio de 2016 at 17:39

    […] Loo, Charles Le Brun, Edouard Manet, Claude Monet, Pierre Bonnard e outros ainda. Um dos mestres, Eugène Delacroix, está presente com um tema bem local: a batalha de […]

  • Direto de Paris - Jornalismo em Paris Responder    

    29 de maio de 2016 at 15:10

    […] Então, vamos dar uma passada geral. Entre os pintores, podemos encontrar vários mestres como Delacroix (1863, 49ª divisão), Ingres (1867, 23ª), Géricault (1824, 12ª) e Jacques-Louis […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Direto de Paris usa cookies para funcionar melhor. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close