Atrações

Galerias do Palais-Royal – modelo das passagens cobertas de Paris

11 de junho de 2019

Depois de conhecer a história e o interior do Palais-Royal, é hora de passearmos por suas galerias. Abrigando lojas e galerias de arte, é uma visita diferente para quem está em Paris.

Galerias do Palais-Royal

Como vimos no texto sobre a história do palácio, Louis-Philippe-Joseph de Orléans, conhecido como Philippe Égalité, proprietário do lugar no século XVIII, tinha um estilo de vida acima dos seus recursos e estava com dívidas. Em 1781, ele se lança na especulação imobiliária e resolve lotear uma parte do seu terreno, perto do jardim do palácio. Ele contrata o arquiteto Victor Louis para construir ali imóveis que ele esperava alugar.

Galerias

O arquiteto, então, desenha um grande conjunto formado por casas e galerias interiores, com 160 arcadas. As casas, com três ou quatro arcadas, são construídas em vários níveis, sendo o térreo ocupado por lojas e os andares superiores por residências. É o conjunto que conhecemos hoje.

Arquitetura galerias

Três galerias são terminadas. Uma quarta galeria seria construída, separando o Palais do jardim. Porém, por falta de dinheiro, isso não é possível. Então, em 1786, galerias de madeira são erguidas no lugar da quarta galeria em pedra. A ideia já era de que fosse provisória. Hoje, vários historiadores dizem que essas galerias de madeira são as ancestrais das passagens cobertas parisienses, pois foram as primeiras a apresentar um caminho coberto com lojas, ideal para passeios.

Galerias do Palais-Royal

Apesar do material – madeira -, as galerias improvisadas têm um certo prestígio. Seu proprietário, o duque d’Orléans, faz parte da família real. As entradas são guardadas por funcionários que levam no uniforme o símbolo da monarquia. Mas essas condições restritas de acesso não atrapalham a liberdade de comércio e nem de expressão, pois, por ser uma propriedade da família real, a polícia não entrava ali.

Galerias do Palais-Royal

Então, no lugar vários tipos de comércio são criados. Considerando todo o conjunto, as galerias de pedra e as de madeira, havia cerca de 300 lojas. Luxo, moda, gastronomia, gabinetes de leitura, cafés e restaurantes. Fora os espetáculos, como os shows teatrais, de marionetes, de música, etc: havia diversão para todos os gostos. A animação reinava ali até de madrugada. E, exatamente, por ser um lugar sem a fiscalização da polícia, até os prazeres mais ilícitos, como o jogo e a prostituição, eram permitidos.

Sapatos

Toda uma gama de personagens circulava pelas Galeries: intelectuais, mundanos, parisienses e estrangeiros. Balzac, em As Ilusões Perdidas (1837-1843), descreve as galerias: “O primeiro andar era ocupado pelos cafés, os gabinetes de leitura, as bancas de jogo, e os andares superiores por indivíduos de todos os tipos, masculinos e femininos”. E ainda completa: “O que Paris é para a França, o Palais-Royal é para Paris”.

Galerias do Palais-Royal

Pouco antes da Revolução Francesa, as galerias se tornam um dos centros da vida política. Foi ali que Camille Desmoulins incitou a multidão a se rebelar, em julho de 1789. O duque d’Orléans, já chamado de Philippe Égalité, encoraja os revolucionários. E mesmo depois de 1793, quando ele é guilhotinado e o Palais-Royal vira propriedade nacional, as galerias continuam fervilhando de animação.

Galerias do Palais-Royal

Entre 1815 e 1817, o local faz muito sucesso entre os estrangeiros, que ocupavam Paris após a derrota de Napoleão I. As galerias abrigavam um comércio de luxo, composto por lojas de moda, porcelana, cristais, joalheiros, alfaiates, etc; além de cafés e restaurantes. E os jogos e a prostituição continuavam a bater ponto ali. Inclusive, as prostitutas, quando iam para as galerias do palácio, diziam que iam “faire leur Palais” (fazer seu palácio).

Galerias do Palais-Royal

Com o tempo, as galerias de madeira foram se degradando, ao ponto de serem chamadas pelos parisienses de “camp des Tartares” (acampamento de tártaros). Em 1828, é decidido que elas seriam demolidas. No ano seguinte, uma galeria de pedra, a Galerie d’Orléans, é construída no lugar, ligando as arcadas de Valois e Montpensier e separando o jardim do palácio. Assim, apesar de serem provisórias, as galerias de madeira sobrevivem por 42 anos.

Galerias do Palais-Royal

Com 65 metros de comprimento e 8 de largura, a Galerie d’Orléans é luxuosa, repleta de espelhos e mármores. Uma verrière leve e larga cobria quase todo o lugar. Nos cantos, o telhado era arrumado em jardim suspenso e se ligava aos apartamentos do duque de Orléans. Ela comportava 24 lojas espaçosas.

Galerias do Palais-Royal

Porém, a nova galeria não vai igualar a animação das galerias de madeira. Balzac mesmo faz alusão a isso, ainda em As Ilusões Perdidas: “Arrependimentos imensos e unânimes acompanharam a queda destes ignóbeis pedaços de madeira”. Apesar da construção luxuosa, o número de visitantes vai, aos poucos, caindo.

Le Corbusier

Em 1837, há 355 comerciantes repartidos em todas as galerias que bordam o jardim: a Galerie de Montpensier, de Beaujolais e de Valois. Sem contar as outras galerias menores do lugar: a de Chartres, de Nemours e de Orléans (a que ficou no lugar das de madeira). Nesta última, havia livrarias, lojas de roupas, acessórios e sapatos, gabinetes de leitura e um café, o Café d’Orléans.

Galerias do Palais-Royal

Alguns anos antes, o decreto moralizador do rei Louis-Philippe, proprietário do Palais-Royal, proibindo o jogo e a prostituição nas galerias, e sua partida para o Palais des Tuileries já haviam provocado a redução do público no lugar. Junta-se a isso a abertura das passagens cobertas, como, por exemplo, a Galerie Vivienne. Mas, alguns anos depois, com a reforma de Paris realizada pelo prefeito Eugène Haussmann viria o tiro final: a moda passou a ser passear e comprar nos novos bulevares e praças construídos ou reformados pelo administrador. Um exemplo disso é a mudança das joalherias para a Place Vendôme.

Galerias do Palais-Royal

Em 1935, a Galerie d’Orléans, que ficava no lugar das galerias de madeira, é destruída. Somente as colunas ficam em pé e são as que vemos atualmente, separando o jardim do palácio. Hoje, só sobraram as galerias do projeto de Victor Louis (final do século XVIII). Elas atraem vários tipos de lojas, como de criadores e estilistas de moda, de artesanato, de doces, de brinquedos, galeria de arte, cafés e restaurantes. Se no passado as Galeries do Palais-Royal e os jardins eram apreciados por sua animação, agora eles são procurados pela calma que proporcionam.

Galerie d'Orléans
O que sobrou da Galerie d’Orléans

Curiosidades
As galerias e jardins do Palais-Royal eram frequentados por Gabrielle Colette e Jean Cocteau. A escritora morava no número 9 da rue de Beaujolais e ele ali perto, em um lugar tão pequeno que chamava de “sua caixa de sapatos”.

Colette

No número 17 da Galerie de Montpensier havia o Gabinete de Figuras de Cera de Philippe Curtius, instalado ali logo depois da criação da galeria. É o primeiro lugar a expor personagens históricos de cera em tamanho natural. A sobrinha de Curtius, Marie Grosholtz, era uma escultora de talento e o ajudava na realização das obras. Ela se casa com François Tussaud. Herdeira da coleção do tio, continuou seu trabalho. Anos mais tarde, se muda para Londres, onde expõe suas obras e acaba abrindo um museu na capital inglesa. É o museu Madame Tussauds, um dos mais populares da cidade.

Bolsas

Na mesma galeria, nos números 57 a 60, funcionava o Café de Foy. Dizem que foi ali, em pé em uma cadeira, que Camille Desmoulins atiçou a população a se rebelar, em 13 de julho de 1789. Mal sabia ele que, anos depois, seria guilhotinado pela Revolução que ajudou a criar.

Caixinha de música

Na Galerie de Beaujolais, vemos o lendário restaurante Le Grand Véfour. Ele foi criado em 1784 por um limonadeiro, o senhor Aubertot, com o nome de Café de Chartres. Em 1820, Jean de Véfour, antigo cozinheiro de Philippe Égalité, compra o lugar. Ele só ficou ali três anos, mas o nome foi conservado. Durante todo o século XIX, toda a elite política e cultural frequentou o restaurante. Dizem, inclusive, que Victor Hugo sempre comia a mesma coisa ali: sopa, peito de carneiro e feijões brancos. O lugar é classificado como Monumento Histórico.

Galerias do Palais-Royal

As Galeries do Palais-Royal abrigam também o Théâtre du Palais-Royal. Quando o Palais-Royal foi construído, uma sala de teatro ficava em uma das alas do palácio. Transformada em Ópera, a sala pega fogo em 1763 e em 1781. Então, quando as galerias são construídas, um novo teatro é criado em 1784, destinado a espetáculos de marionetes. Ele se chama, então, Théâtre des Variétés. Depois de passar por vários proprietários, o local se torna, em 1812, o Café de la Paix. A aventura não dura muito e o lugar fecha em 1820. Dez anos depois, Joseph-Jean Contat-Desfontaines, ator, obtém autorização para usar o antigo teatro. Ele, então, contrata o arquiteto Louis Regnier de Guerchy para reconstruir a sala. Assim, o Théâtre du Palais-Royal é inaugurado em 6 de junho de 1831. Em 1880, o lugar é transformado pelo arquiteto Paul Sédille. Atualmente, a sala de espetáculos comporta 716 lugares.

Thèâtre du Palais-Royal

Galerias do Palais-Royal
2, Place de Colette, 6, rue Montpensier e 15, rue de Valois
75001 Paris
Metrô: Palais-Royal-Musée-du-Louvre, linhas 1 e 7.
Horários: de 1 de outubro a 31 de março – aberto todos os dias, das 8h às 20h30. De 1 de abril a 30 de setembro – aberto todos os dias, das 8h às 22h30.
Gratuito.

Chocolate Muscade

* Reserve hotel para Paris e outras cidades do mundo com o Booking
* Compre seu seguro de viagem com a Real Seguro Viagem
* Para fazer passeios e excursões, contate a ParisCityVision
* Para transfer e passeios privados, contate a França entre Amigos
* Compre ingressos fura-fila para várias atrações de Paris e outras cidades com a Ticketbar
* Alugue um carro com a Rentalcars
* Saiba mais sobre Cursos de idiomas no exterior

Renata Rocha Inforzato

Sou de São Paulo, e moro em Paris desde 2010. Sou jornalista, formada pela Cásper Líbero. Aqui na França, me formei em História da Arte e Arqueologia na Université Paris X. Trabalho em todas essas áreas e também faço tradução, mas meu projeto mais importante é o Direto de Paris. Amo viajar, escrever, conhecer pessoas e ouvir histórias. Ah, e também sou louca por livros e animais.

Comentários (3)

  • Paula Responder    

    19 de junho de 2019 at 11:04

    Quando morava em Paris, tinha uma loja de artigos culinários ai que era uma perdição, sempre comprava um livro ou alguma coisa.

  • Maria Responder    

    21 de junho de 2019 at 6:05

    Sou apaixonada por arquitetura e por Paris! Viajei no seu texto e na riqueza de detalhes! Parabéns!!

  • Direto de Paris - Jornalismo em Paris Responder    

    9 de julho de 2019 at 15:58

    […] que acontecem este ano (2019) no dias 21 e 22 de setembro. No próximo texto, vamos visitar as galerias que cercam o jardim do […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

O Direto de Paris usa cookies para funcionar melhor. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close